A Paixão Segundo G. H.

A Paixão Segundo G. H.

00:00 / 00:00

Sinopse

Clarice, me dá tua mão.
Tudo parece de novo impossível nesse frêmito de eternidade que é o presente, mas confio na nossa aproximação: aconteceu daquela vez o impensável; adaptar A paixão segundo G.H. para o teatro. Não fui sozinha como você, embora quando estive ali, cara a cara com a barata, era eu mesma, sozinha como um caco de vidro, um cachorro e uma galinha estão sós e cara a cara.
Com o quê?
Consigo.
Eu fui, ao encarnar durante mais de dois anos a G.H. num monólogo para o teatro – adaptado por Fauzi Arap e dirigido por Enrique Díaz –, uma pessoa sem a pessoa que eu era antes para fazer companhia para mim mesma. Fui perdendo as cascas, o invólucro, mergulhando em águas cada vez mais densas e profundas, perdendo o contorno humano, transladei para outra, outro lugar, desconhecido, terrível e maravilhoso, que não eu.
Mas houve as mãos que me ajudaram na travessia.
As suas mãos, Clarice.
As suas mãos de escritora que tantas vezes anseiam as nossas para irmos contigo, nessa grande odisseia de uma mulher que viaja para dentro de si e se despersonaliza. Ela desvira o Eu. Ela se te revira. Não é brincadeira o que acontece aqui, é coisa que se lê e se toma e entra no próprio sangue, é saber xamânico, potente, destruidor e revivificador. Nada se cria sem desfazer essas camadas de noções fossilizadas sobre nós mesmos e o mundo. Tuas palavras agem sobre mim, ainda e sempre.
Agora, neste ano de 2020, é seu aniversário de 100 anos.
A paixão foi escrito em 1964. Imagino você aqui escrevendo sobre o agora, o momento presente atravessando as paredes de sua casa e de seu corpo e se metamorfoseando em palavras que você escreve e essas palavras agem, transformam a vida.
Nós estamos olhando a vida que se nos olha, Clarice.
A vida se nos é, e se me é, tão radicalmente agora, que voltei a andar com teu livro colado em mim. Livro que é registro desse tempo eterno onde fracassamos e vamos de novo, com o fracasso das nossas existências e palavras.
Das milhares de apresentações possíveis que eu poderia fazer, eu escolho dizer sim; sim, leia este livro como experiência que se vive. Entrar pelo corpo, e ir com as palavras mais “pelo que elas fazem do que pelo que elas falam”, ir com G.H., atravessando esses portais e ir se perdendo nas paredes, nos hieróglifos da casa, nas marcas deixadas pelo outro, e ir indo, parando e recuperando o fôlego até mergulhar completamente nesta obra extraordinária que nunca mais vai parar de acontecer.— Mariana Lima, Atriz e produtora

Autor

Clarice Lispector
Clarice Lispector
Uma escritora decidida a desvendar as profundezas da alma. Essa é Clarice Lispector, que escolheu a literatura como bússola em sua busca pela essência humana.Sua tentativa de transcender o cotidiano revela-se em personagens na iminência de um milagre, uma explosão ou uma singela descoberta. Todos suscetíveis aos acontecimentos do dia a dia.Vidas que se perdem e se encontram em labirintos formados por uma linguagem única, meticulosamente estruturada. E é por essa linguagem que Clarice Lispector constrói uma obra de caráter tão profundo quanto universal.

Narrador

Carol Badra
Carol Badra
Atriz e figurinista co-fundadora da Cia Os Fofos Encenam e integrante a Cia de Teatro los Lobos Bobos, onde desenvolve produções e atua em adaptações de obras literárias em cena teatral. Em 2020 produz e atua na adaptação de "O Mistério do Coelho Pensante" de Clarice Lispector ( esta é a 3a adaptação que atua, da autora) dando asas ao desejo de sempre embarcar no universo desta autora mais que maravilhosa.
Carol Badra, plena e entregue, aceitou o desafio de gravar o audio livro "A Legião Estrangeira" e "A Paixão segundo GH". Este foi o grande presente destes tempos, afinal 2020 não é um ano qualquer... É centenário do nascimento de Clarice Lispector!