China tropical

China tropical

Sinopse

O Brasil, como se sabe, tem em sua misturada formação sociocultural a marca do Oriente. A ação portuguesa em regiões da Ásia, a presença de escravos africanos de cultura muçulmana e outros elementos fizeram com que nosso DNA multifacetado tivesse traços dos povos orientais. China tropical é um livro que traz textos do sociólogo Gilberto Freyre sobre os diversos orientalismos presentes na sociedade brasileira. Organizado por Edson Nery da Fonseca, o livro reúne textos extraídos de diferentes obras de Freyre que tematizaram o Oriente. Freyre rememora os indícios da presença oriental no Brasil: o chapéu-de-sol, o leque, a bengala, a colcha de seda, o cuscuz, o hábito de usar chale, e outros. O sociólogo pernambucano desvenda com toda a sua sabedoria como o Oriente influenciou os modos de vestir, sentir e pensar da civilização extraeuropeia que se formou na América portuguesa, uma espécie de "China tropical." A edição conta com o texto de apresentação de Vamireh Chacon, professor emérito de Ciência Política da Universidade de Brasília.

Autor

Nasceu no Recife (PE), em 1900. Iniciou seus estudos no Colégio Americano Gilreath e completou a sua formação nos Estados Unidos, onde frequentou as universidades de Baylor (Texas) e Colúmbia (Nova York). Retornou ao Recife em 1923, passando a exercer diversas atividades no âmbito da cultura e do ensino no Brasil e no exterior. Ocupou o cargo de deputado federal (entre 1946-1950), quando criou o Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais. Dedicou-se aos estudos sobre cultura e sociedade brasileiras, organizou congressos e realizou diversas conferências. Fez carreira acadêmica, de artista plástico, jornalista e cartunista no Brasil, na Europa e nos Estados Unidos. Manteve, porém, uma grande ligação com Pernambuco, em especial Olinda e Recife. Com o livro Casa-Grande & Senzala, publicado em 1933, Gilberto Freyre revolucionou a historiografia. Ao invés do registro cronológico de guerras e reinados, ele passou a estudar o cotidiano por meio da história oral, documentos pessoais, manuscritos de arquivos públicos e privados, anúncios de jornais e outras fontes até então ignoradas. Usou também seus conhecimentos de antropologia e sociologia para interpretar fatos de forma inovadora. Freyre recebeu diversas homenagens. Entre elas, em 1962, o desfile da escola de samba Mangueira, com enredo inspirado em Casa-grande & Senzala. Foi doutor pelas Universidades de Paris (Sorbonne, França), Colúmbia (Estados Unidos), Coimbra (Portugal), Sussex (Inglaterra) e Münster (Alemanha). Em 1971, a rainha Elizabeth 2ª lhe conferiu o título de Sir (Cavaleiro do Império Britânico). Seu livro Casa-grande & Senzala está entre as obras essenciais para o entendimento da identidade brasileira. Freyre faleceu em 1987, aos 87 anos.